terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Formando valores

















Segundo o coordenador das categorias de base, Manoel Renha, o Botafogo continuará apostando bastante nos pratas da casa em 2016:

"- Fechamos bem o ano com o título da OPG. Nossa categoria sub-20 foi a que mais sofreu em 2015. Sofreu no bom sentido. Perdemos muitos jogadores para o profissional, o que acaba sendo o nosso objetivo principal. Por isso, a equipe sub-20 precisou ser reformulada pelo menos duas vezes na temporada, o que causou certa descontinuidade no trabalho. Subimos muitos garotos nesse ano, e em janeiro vamos subir o Igor Rabello. Outro jogador campeão da OPG também será integrado, mas ainda não o comunicamos".

"- O Diego tem entrado muito bem, o Emerson foi bem contra o América-MG e tem tudo para ser um grande zagueiro, o Luís Henrique, que só tem 17 anos, vem jogando e convive com uma grande expectativa... O Fernandes, que é quem mais jogou, poderia estar na decisão da OPG. Ele tem apenas 20 anos e deve ser firmar ainda mais na próxima temporada".

Acho legal e válido. Principalmente em um clube com problemas financeiros para contratações de jogadores de impacto. Mas que esses jovens não sejam tratados como soluções dos problemas...
...e nem preteridos para Serginhos, Camachos, Alissons e Ronaldos da vida.


SAUDAÇÕES ALVINEGRAS!!!

40 comentários:

Rui disse...

Navarro e Arão são mercenários da bola, muito mal empresariados, e muito, mas muito mal agradecidos, eram dois "zés Ninguém" até o Botafogo resgata-los do anonimato, e agora por qualquer merreca dão as costas ao Botafogo!! E por mim podem ir(o volante, ressarcindo-nos), eles não tem essa bola toda, nenhum dos dois, o tal Arão principalmente, de 60 jogos que fez no ano jogou bem uns 10 jogos, no máximo 15!!! Pensem se não é verdade o que escrevo!!!

Anônimo disse...

Contrata o Kiesa,barato e faz gol, traz o Pimpão de volta. Pronto muito bom ataque e o bicho vai pegar na série A.

Marcio disse...

Melhor ainda seria se o BOTAFOGO adotasse uma filosofia única de jogo em todas as categorias; isso facilitaria e muito a chegada dos jovens ao time profissional.
De todo modo, já é um bom começo.
SA!!!

Rodrigo Federman disse...

Concordo, Rui.

Anônimo, a grana que o Pimpão deve estar recebendo lá no Oriente deve ser um bocado que não temos como pagar. No caso do Kiesa, eu acho jogador de série B. Nada além disso.

Abs e SA!!!

Rodrigo Federman disse...

Sim, Marcio. Os bons exemplos (neste caso, do Barcelona) deveriam ser copiados sempre.
Abs e SA!!!

Marcio disse...

Bem lembrado, Rodrigo.
O retorno obtido pelo Barcelona por ter formado seus jogadores é quase imensurável.
SA!!!

Rodrigo Federman disse...

Exatamente, Márcio.
Abs e SA!!!

Paulo Eduardo disse...

O problema é que nem o profissional tem um estilo de jogo definido...

Rodrigo Federman disse...

Verdade, Paulo.
Abs e SA!!!

Cloud908 Jj disse...

Padrão de jogo e o que não vemos no botafogo de uns tempos pra cá... alias sei que os amigos vão descordar, mas o único... mas unico time( em se tratar de padrão de jogo) dos ultimos 5 anos me deixou empolgado foi o de 2011 como tecnico Caio Junior e gerido pelo gerente de futebol Anderson Barros... Talvez o de 2011 tbm, mas so um periodo...

Rodrigo Federman disse...

Cloud, eu vou além: O último Botafogo que vi com padrão foi aquele de 2007 treinado pelo Cuca. Aquilo era um rolo compressor. Pena que não tínhamos o Jeff na época.
Abs e SA!!!

Anônimo disse...

Navarro é ingrato demais! Sem autonomia, deixa o empresario mandar e desmandar! O cara saiu do cú do Equador, jogando num timezinho de 2º divisão com 30 anos, aí tem a oportunidade de vir até um grande clube, valoriza um pouquinho e vai embora, tem que acabar com essa fuleiragem do BOTAFOGO ser barriga de aluguel, se não quer ficar, foda-se! Vá embora...

Rodrigo Federman disse...

Anônimo, no post de amanhã falarei especificamente sobre o setor ofensivo, ok?
Abs e SA!!!

Anônimo disse...

Lindoso renovou por dois anos. Tem futebol, mas acho que precisa melhorar mais, ainda não é o jogador que jogou no Madureira. Talvez pq no time do RG ele jogue mais recuado do que costuma.

Rodrigo Federman disse...

Anônimo, jogador para, no máximo, compor elenco.
Abs e SA!!!

Anônimo disse...

Que belo comentário de um torcedor botafoguense em um blog;Concordo totalmente com ele.

"Acho que o clube deve fazer um trabalho junto ao torcedor, explicando claramente (ok, a situação é óbvia, mas muitos se negam a ver a realidade) que 2016 será mais um ano de sacrifícios para tentar fazer o clube sobreviver. A situação do Botafogo é muito delicada ainda. Não esperem times fortes e competitivos tão cedo. A situação do clube é muito crítica ainda. A destruição causada pelo dentista fdp e seus diretores foi enorme.

E tem um outro detalhe também: nos últimos 40 anos vivemos 95% do tempo com derrotas, jejum de títulos e vergonhas, então não vejo motivo para exigir um time campeão da libertadores para 2016, que será o segundo ano de reconstrução do Botafogo. O clube ainda respira por aparelhos.

É claro que uma conquista de copa do brasil, sulamericana, libertadores e brasileiro é urgente para o Botafogo. Isso é óbvio ! Somos o único clube que nao ganha merda nenhuma. Mas o primeiro passo para solucionar um problema é admitir e encarar o problema.

Não tem dinheiro, não tem como fazer time bom e vencedor. E o torcedor tem que assimilar e aceitar isso. Não adianta ficar igual maluco no pinel achando que é o napoleão, que é o time do Nilton Santos, etc etc.

Meu pedido de Natal para o CEP: demita o padilha ! Ele é o ponto negativo dessa gestão. Um babaca que só critica a torcida ! Dept de mktg e comunicação do Botafogo é ridículo ! Um cara que ataca a torcida não pode trabalhar no clube, muito menos ser o cara do marketing !

Fooooooooooooogoooooooooooooooo !!

Sergio Di Sabbato disse...

Márcio, Concordo pelnamente contigo. Um dos sucessos do Barcelona, além de ter grana, foi implantar uma filosofia de jogo igual para todas as categorias. Nos tempos áureos do Botafogo todas as categorias jogavam da mesma forma. Colega meu, campeão de 57 do infanto-juvenil chegou a treinar com os profissionais e até contra a seleção brasileira de 58 e disse que muitas vezes os reservas e até e os juvenis davam calor nos profissionais. Os coletivos apronto dos profissionais de 67/68 eram imperdíveis, GS tinha público de dias de jogos. Tive a sorte de assistir alguns desses treinos, (eita varandão da saudade) mas era um clube dirigido por grandes botafoguenses que se interessavam pelo clube acima de tudo. Não que não tenham existido grandes botafoguenses nos últimos tempos, mas esses, dentro das vaidades e outras coisas nos muros de GS pouco fizeram.
Muito bom o aproveitamento da prata da casa. Ainda vejo uns garotos que podem dar frutos, como o Amilcar, Jordan e o Gorne. Os dois primeiros parece que subiram para os juniores, jogaram inclusive com o LH e o Gorne acho que ainda tem idade para o sub 20. Abs e SB!

Anônimo disse...

Rever (Z, Internacional), Renê (LE, Sport), Dener Assunção (LE, Chapecoense), Pedro Larrea (V, LDU Loja-EQU), Camilo (M, Chapecoense), João Paulo (M, Santa Cruz), Régis (M, Sport), Ricardinho (M, Ceará), Emiliano Vecchio (M, Colo Colo-CHI), Lucas Wilchez (M, Tigre-ARG), Kieza (A, Bahia).

Nomes dentro da nossa possibilidade financeira!!

Paulo Fernando disse...

Essa questão levantada por você e o Marcio sobre a padronização de jogo pela base e que é executada no Barcelona é tão séria que o Muricy Ramalho disse que a escolha do time para treinar em 2016 foi baseada na autonomia que terá na gestão de toda a parte técnica do clube. Acho que o Botafogo deveria usar o Jair Ventura para isso, já que conhece a base do Botafogo e os profissionais. Não faz sentido um time jogando num 442 e o sub 20 jogando num 352. Não digo só o esquema de jogo, mas também a tática padrão a ser adotada. É claro que existem variações dentro de uma partida e depende do adversário e momento do jogo, mas é fundamental que além do esquema tenha uma tática padronizada onde cada jogador saiba o que fazer em campo. Que seja treinado desde a juventude jogar dessa forma. Acredito que a repetição seja ela técnica (cruzamentos, passes, dribles, etc..) ou tática é que faz a diferença entre os times. Muitos jogadores nem são tão bons assim, mas quando disciplinados rendem o que feras da bola não conseguem fazer. Se o jogador brasileiro (que tem a habilidade como sua maior característica) fosse mais aplicado técnica e taticamente seriamos imbatíveis. O pior é ver que nenhum clube n Brasil experimenta isso. O Corinthians do Tite é oque mais parece aplicar essa padronização, sejam os titulares ou reservas.

Rodrigo Federman disse...

Pois é, Sérgio. É um trabalho que demandaria tempo e paciência, mas colheríamos frutos futuros.

Possa crer, Anônimo.

Paulo, mas nenhum dos clubes brasileiros aplica essa padronização desde as categorias de base.

Abs e SA!!!

Rodrigo Federman disse...

Anônimo, não acho que o dep. de mkt esteja tão ruim. Obviamente não concordo com críticas à torcida, mas ainda não penso que o problema do clube está no mkt.
Abs e SA!!!

Paulo Fernando disse...

Isso Rodrigo. Uma coisa é revelar bons jogadores na base, outra coisa é ter uma base padronizada com o elenco. Na primeira situação temos vários clubes reveladores no Brasil, mas a integração base/principal não existe em nenhum deles. Agora parando pra pensar é muita incompetência não fazer isso. Já está provado pelo Barcelona que isso dá certo. Por quê não fazem? Primeiro porque o técnico no Brasil não tem emprego seguro ou garantido e dessa forma não consegue planejar nem o principal, imagina se vai perder tempo com isso, arriscando seu emprego, segundo porque como não há essa integração dos profissionais, os treinadores da base ganham "bola" pra escalar filho ou recebem interferência de empresários.

Rodrigo Federman disse...

Paulo, os técnicos brasileiros são ruins e preguiçosos. Os dirigentes e jogadores, idem.
Abs e SA!!!

Jeremias disse...

O Rodrigo VC e testemunha que eu spre apoio essa iniciativa da garotada pq só assim conseguiremos colar a ca$a em orden$$ e lógico que para um Fernandes virão 2 GG para cada LH vira um Vinícius tanque da vida mais se não tentarmos como conseguiremos êxito o Emerson creio que está pronto para a próxima temporada na vdd queria que ele jogasse já a ssérieB ao lado de RF o Jefferson e o carro chefe o Diego logo pedira passagem

Rodrigo Federman disse...

Sim, Jeremias. Isso mesmo!
Abs e SA!!!

Daniel BFR disse...

E que "tínhamos" alguns árbitros..

Rodrigo Federman disse...

Possa crer, Daniel.
Abs e SA!!!

Daniel BFR disse...

Boas indicações do anônimo, os nomes são por aí mesmo. É o que podemos pagar, e isso sendo habilidoso nas negociações. Somados a base desse ano (Jeff, RF, Roger, Lindoso, Fernandes, Elvis, Sassá, Neilton e Navarro), e mais uns dois jogadores acima da média caso o torcedor aderir ao ST (desculpe, mas 14 mil é uma vergonha) ou um bom patrocinador master apareça.
Aí com um time aplicado e salários em dia, poderemos lutar por vaga na Libertadores e quem sabe CB.

Abs e SAN!

Rodrigo Federman disse...

Daniel, ainda assim, acho que não teremos/teríamos time para brigar por Libertadores. Aliás, acho que nem devemos ter essa esperança para o ano que vem ainda.
Abs e SA!!!

Anônimo disse...

Alguém sabe até quando vai o contrato do Henrique? Com 12 gols marcados em apenas 19 partidas ele tem a melhor média de gols marcados por jogo no Brasileirão, com 0,63 por partida, à frente de Ricardo Oliveira, artilheiro do campeonato, com 20 gols.
Ele tá muito valorizado, e talvez fosse melhor reintegrá-lo e colocá-lo de titular, vendendo ele na janela de maio, a principal da Europa.

Rodrigo Federman disse...

Anônimo, ele já teve todas oportunidades possíveis. Não dá para ser titular mais.
Abs e SA!!!

Marcio disse...

O Sérgio Di Sabbato e o Paulo Fernando esmiuçaram muito bem o exemplo Barcelona. Quando falamos no clube catalão, nos vem a lembrança de nomes como Iniesta, Xavi e o "importado" Messi.
Entretanto, gostaria de lembrar de um jogador, que se não era da mesma qualidade dos citados acima, sobrava em liderança, entrega e sabia muito o significado de vestir aquela camisa; falo de Puyol.
Quanto à padronização, filosofia única de jogo, penso que pode esbarrar na vaidade dos comandantes das categorias de base e o marca, marca, marca, pega, pega, pega, gritados pelos "professores" à beira do campo.
Aqui no BOTAFOGO, a primeira medida excludente é a cobrança de 70 reais de inscrição para participação no processo seletivo; algo totalmente fora de contexto.
SA!!!

Rodrigo Federman disse...

Disse tudo, Márcio.
Abs e SA!!!

Anônimo disse...

Cara, não sei pq td esse auê por Navarro. Ele ja tem 30 anos, ninguém o conhecia la fora, nunca foi.destaque em lugar algum... Veio pro Fogão, jogou no a série B no time de mais tradição, favorito... Tinha que fazer gols. Ser melhor que Bill era obrigação. Agora, não é esse jogador todo pra série A.

Rodrigo Federman disse...

Também acho, Anônimo.
Abs e SA!!!

Sergio Di Sabbato disse...

Esses 70 reais são um verdadeiro absurdo. Tem um garoto em Petrópolis que é um genionizinho; se quando crescer for isso tudo, será um super craque. Vocês acreditam que veio gente da base do Botafogo, viu o garoto, achou muito bom mas ficou só nisso!!!!!! A bem da verdade, a base do Botafogo deixou de ser reveladora de talentos quando o Botafogo perdeu o Neca que tinha um olho clínico para talentos, além de implementar uma filosofia de jogo que era comum a todas as categorias. Além disso, depois que o Ademar Bebiano não dirigiu mais a base, revelamos muito poucos jogadores. Felizmente parece que a base está entregue em boas mãos, mas acho que falta um profissional que saiba trabalhar os garotos, e no país não vejo ninguém, pois como foi dito, os treinadores brasileiros são muito fracos, desatualizados e meros macacos de imitação. Abs e SB!

Rodrigo Federman disse...

Isso mesmo, Sérgio. Por isso sou favorável à investimentos em profissionais de fora do país para esse trabalho específico. Os brasileiros são preguiçosos e ruins para isso.
Abs e SA!!!

Marcelo disse...

Concordo com a questão da padronização da base, mas não concordo com diversos outros comentários lidos aqui.

Acho que temos sim, técnicos de personalidade que poderiam trabalhar dentro deste esquema de trabalho.
- Oswaldo Oliveira é um cara que conseguiu tirar rendimento de Gegê, Dória, Otávio, Gilberto, Daniel, Gabriel e outros ainda menos citados - infelizmente ele é execrado pela torcida
- Cuca era outro que tem dedicação para fazer este tipo de trabalho, apesar de não possuir tanta paciência com jogadores jovens.

O problema com este sistema, é que isso é trabalho a longo prazo e não existe paciência especialmente por parte da torcida (que é sim, muito cri-cri e vive queimando jogadores) e dos dirigentes que estão sempre priorizando resultado, derrubam o técnico e também queimam os jogadores.

Na minha opinião, nesta série B mesmo vimos um pouco do problema, quando o Renê não mostrava ter confiança nos jogadores vindos da base. Foi pressionado para utilizá-los mais. Não aceitou a pressão, sendo este um dos motivos por que saiu. Sendo substituído temporariamente pelo Jair Ventura, que imediatamente acatou o raciocínio e escalando times que basicamente eram formados somente por jogadores vindos da base durante 3 jogos. Os resultados não foram os ideais (falta de paciência) e contrataram o Ricardo que seguiu o caminho do Renê, dando priopridade para o uso de jogadores contratados.

Ainda agora estamos presenciando casos de desperdício de jogadores dentro do Botafogo:
Goleiros
- Milton Raphael - jogou a série C do ano passado no Macaé aonde foi o destaque do time no campeonato, este ano quando quiseram renovar o empréstimo dele o Botafogo segurou, um time de Santa Catarina queria ele para disputar a série A deste ano, o Botafogo não cedeu. Agora, depois de passar o ano treinando em separado (ou seja, não treinando) estão dispensando-o sem ter dado qualquer chance para ele),
- Luis Guilherme (dispensado sem ter sido utilizado, quando na época do Cuca, era uma promessa que tinha atraído o interesse do Manchester United. O Botafogo segurou ele, nunca o utilizou e o dispensou este ano)

Laterais
- Diego (na direita) e Jean (na esquerda) passaram a maior parte do ano assistindo a jogadores improvisados (Giaretta) e incapazes (Luis Ricardo, Carletto e Pedro Rosa) ocupando suas posições.

Zaga
Não tive a oportunidade de assistir ao Emerson, mas por pior que ele possa ser, pelo menos ele é feito na base do clube. Aguentar o Renan Fonseca (que não marca ninguém, não mata uma bola, não consegue correr, não sabe tocar na bola e, o pior de tudo, não se machuca e nem leva suspensão !!!) o ano inteiro não é fácil.

Meio campo
Não deram chance ao Sidnei (que veio da base e está dispensado) para colocar Serginho no time (???). Fernandes foi aproveitado mas fora de posição. O Ricardo força o garoto a jogar torto aberto na esquerda. Gegê e Octávio mostraram potencial quando estavam com o Oswaldo e Seedorf para orientá-los (mas é isso que tem que fazer com jogador jovem, eles tem que receber orientação específica !!!). Cidinho, que todos encheram a bola e agora descartaram, nunca recebeu a atenção e o trabalho de fortalecimento devido para ter qualquer chance de sucesso.

Marcelo disse...

Continuação de comentário anterior:

Ataque
Infelizmente ali não tem jeito mesmo. Sassá e Vinicius Tanque não têm cacoete para jogar futebol. Na base de rompedores podem até fazer um outro gol, mas será um festival de tombos, pisadas na bola e furadas. Luis Henrique foi trazido para cima muito cedo e em cima de toda uma onda que ele estava criando em alguns poucos jogos da base. Precisaria de toda uma orientação só para ele.

Com relação ao Henrique (que foi para o Coritiba), ele tem muito mais condição física (força e rapidez, além de inteligencia) do que o Neílton para jogar na primeira divisão, mas não adianta mantê-lo e continuar com a palhaçada dos últimos anos que foi o Dória, no primeiro ano, e o Renan Fonseca no segundo, só dando chutão para a frente. Não adianta também ficar levantando a bola para a área. O Henrique precisa de um meio de campo que toque a bola com velocidade para que haja jogadas de contra ataque, com penetração e tabelas.

Para finalizar, a questão da torcida: A torcida tem direito de criticar, mas precisa aprender que ela não é soberana. Se tem direito de criticar, tem que saber que os outros também tem o direito de julgá-la e criticá-la. Nos dias de hoje quem paga salário de jogador são os contratos de TV e de patrocinadores. A torcida não tem mais porque ter esta banca toda de que não pode ser criticada. Principalmente quando não tem noção de diferenciar os momentos em que deveria apoiar, criticar e protestar. As reclamações feitas pelo Oswaldo Oliveira e pelo Seedorf em 2013, estavam corretíssimas.

Bem, estas são as minha opiniões depois de longo tempo (mais de dois anos) afastado do Blog.

Rodrigo Federman disse...

Marcelo, gostei do seu comentário. Concordo em vários pontos, mas discordo no que diz respeito ao OO (insisto que se não fosse o Seedorf, aquele time não daria liga) e à torcida. Eu acho que sim, é soberana e maior patrimônio do clube.
Abs e SA!!!