sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Financeiramente inviável





Notícia retirada do site Globoesporte (clique aqui para ler na íntegra):

"Mudança de planos? Botafogo cogita administrar Arena junto ao Engenhão.

Mesmo com o Estádio Nilton Santos, clube abre diálogo com a Portuguesa para jogos de menor porte na Ilha. Lusa quer aluguel por três anos e dá preferência ao Alvinegro".

Primeiramente, Globoesporte...Engenhão é a PQP! O estádio se chama NILTON SANTOS.

Agora sim...

Amigos, só eu acho um absurdo considerar essa hipótese?

Ah, o Niltão não "colou", não é um caldeirão...

Ah, a Arena tem pressão no adversário, está dando sorte...

Ok, Ok...mas o Botafogo, queiram ou não, gostem ou não, tem um estádio sob sua responsabilidade. E ele é o Nilton Santos.

O Botafogo também não tem vida financeira fácil para "sustentar" a sua casa oficial...
...quiçá uma de veraneio.

Não vejo qualquer condição do clube assumir duas manutenções mensais. Mesmo que haja desconto por parte da Portuguesa, FERJ ou da prefeitura do RJ.

A não ser que sejamos isentos de qualquer despesa fixa (o que julgo pouco provável), né? Aí a conversa muda. Caso contrário, não vejo outra alternativa além de trabalhar para, enfim, tornarmos o Nilton Santos um estádio verdadeiramente botafoguense.

Como? Confesso que não sei, mas aí cabe à diretoria buscar recursos, parcerias, atividades, patrocínios...enfim, a tal da "engenharia financeira" que muitos gostam de falar. Ou então arruma uma maneira de devolver de romper o contrato de concessão e devolve o estádio.

Fora isso, me preocupo bastante com a possibilidade de administrarmos dois estádios.

Dinheiro, não temos.


SAUDAÇÕES ALVINEGRAS!!!

69 comentários:

Celso Ricardo disse...

Pronto . O gato subiu no telhado .
Primeiro passo pra passar o NS.

Rodrigo Federman disse...

Muito estranho, né, Celso? Aguardamos as cenas do próximo capítulo.
Abs e SA!!!

Orlando Sábia disse...

Para um time que busca sanar suas dividas, tornar se estável e voltar a conquistar títulos nacionais, o Nilton Santos é o caminho. A arena da ilha não dá lucro, você pode lotar sempre que a renda é baixissima, fora a localização. O botafoguense é enjoado, ele gosta de coisa boa, tinhamos uma boa média no estádio olimpico porém a mídia não dá destaque a isso, ela quer que o "queridinho" tome conta, fazendo com que os botafoguenses que não acompanhe mais atentamente se deixem levar nessa história de que o torcedor não gosta do Niltão.
É uma completa mentira, muitos fatores nos entristecem, como o caso das cadeiras vermelhas com a propaganda da brahma. O torcedor do Botafogo já sofreu muito, por isso se afastou dos estádios e não aderem ao sócio torcedor. Quem comanda o clube precisa entender o torcedor, o botafoguense não é igual ao torcedor dos outros times, temos nossas peculiaridades e é isso que o comando diretório precisa entender. Tenho a absoluta certeza de que se moldarem o estádio ao nosso jeito, com a nossa cara, a torcida comparecerá sempre.
O Botafogo é história, espalhe essa história em todos os cantos do estádio, cadeiras em preto e branco, o Nilton Santos tem que ser um simbolo do que é o Botafogo e não ao contrário.

Anônimo disse...

Mas uma vez o clube está pensando pequeno.Não existe estádio que nos dê sorte.A sorte e a torcida comparecem quando o time ajuda.O resto é conversa fiada. Sds

Rodrigo Federman disse...

Orlando, fora isso, tem os custos operacionais e administrativos, né? Mal pagamos um...como faremos para manter dois? A não ser que sejamos premiados com uma ótima notícia em breve, explicando como farão isso.

Penso bem parecido, Anônimo.

Abs e SA!!!

Celso Ricardo disse...

Concordo com o Orlando .
Mas não com o anônimo. O Botafoguense , na sua essência, historicamente, desde os tempos de Carlito Rocha, Biriba,tem o misticismo, a superstição como características. E isso nunca nos tornou pequenos .

Rodrigo Federman disse...

Sim, Celso.
Abs e SA!!!

Marcio disse...

Pois é; manter a parceria e mandar lá os jogos de menor apelo...
A única coisa de concreto nessa situação é que as despesas e custos fixos do Estádio NILTON SANTOS ocorrerão com ele aberto ou fechado.
Antes de se preocupar com essa ideia no mnínimo esquisita de manter dois Estádios, deveria a diretoria ter um Plano de Negócios para o NILTON SANTOS.
Como vão ocupar o NILTON SANTOS para poder arrecadar, já que no Carioca a maioria dos jogos são de baixo apelo e além do BOTAFOGO não negociar com a dupla moralizadora, o New maracanã estará liberado?
Muito estranho isso tudo... Vamos esperar uma palavra oficial do BOTAFOGO.
SA!!!

Rodrigo Federman disse...

Isso mesmo, Marcio. Ao invés de pensar em ter dois estádios (que clube tem?), seria muito melhor trabalhar para fazer do Nilton Santos um estádio verdadeiramente botafoguense. Muito estranha essa obsessão pela Arena, tendo - a princípio - o retorno do seu estádio.
Abs e SA!!!

Marcio disse...

Alguém observou esse trecho?

"O Botafogo investiu R$ 5 milhões no estádio nesse ano para instalar as arquibancadas provisórias, além de reformas no campo. No entanto, o clube teve outros gastos para reformar a estrutura do local, o que calcula-se em outros R$ 5 milhões."

SA!!!

Rodrigo Federman disse...

Márcio, no Twitter há quem diga que esses custos beiram os 13,14 milhões. Acho que está faltando mais transparência ou alguém para explicar tudo direitinho.
Abs e SA!!!

Levi disse...

Quem eventualmente lê os meus palpites por aqui, sabem que eu não gosto do Nílton Santos. De fato, não enxergo nele um estádio atalhado para futebol (refiro-me àquela ideia de fazer valer o mando de campo, o jogo em casa). Sim, a torcida fica longe do campo e não faz diferença em termos de pressão. Assisti a jogos do Botafogo por lá, com casa cheia e duas derrotas, inclusive na estréia do Seedorf, sendo que uma delas de virada, contra o Cruzeiro, depois de estar vencendo de dois a zero. Claro, houve jogos em que o estádio fez sim, a diferença, mas vejo essas situações como exceções. Estou pronto para ouvir as críticas com fundamento. Enfim, uma questão de gosto pessoal também. Assisti a um jogo na Arena da Baixada antes da reforma para a copa. Muito, mas muito melhor!
No meu sonho maluco, eu trocaria por uma casa nova para 30, 35 ou até mesmo 40 pessoas. Há vários modelos mundo afora. O meu exemplo maior é um estádio em Haifa, Israel (http://www.stadiumguide.com/sammyoferstadium/). Uns 400 milhões, no mínimo, para se construir um igual. E aquela Arena das Dunas, lá longe, dando prejuízo...Precisaríamos de um Rei Midas!
No entanto, sei que uma empreitada dessas nos dias atuais não passa mesmo de uma quimera. Não há dinheiro, não há recursos e a economia do país está em frangalhos, o que acaba justificando a permanência do Botafogo no NS, óbvio. E se é para ficar por lá mesmo, que se criem condições para que o estádio dê lucro e para que o clube não esteja sempre refém do poder público e dessa mídia maldita que está louca para entregar aquilo lá para o...esqueço sempre o nome, não adianta!
Como fazer isso? Não sei! Não tenho a menor ideia. Este é um problema que a diretoria terá de resolver.

Levi disse...

Ah, sim, devolveria a tal Arena da Ilha ontem! Não dá para ficar com os dois.

Marcio disse...

Rodrigo, se forem verdadeiros os comentário no twitter, investimento de 13, 14 milhões, a pergunta que fica é como foi custeado esse investimento. Quando anunciaram que iriam reformar o Caio Martins diziam que iriam buscar ajuda financeira na iniciativa privada para ajudar no montante previsto de 15 milhões de reais.

http://espn.uol.com.br/noticia/544950_com-investimento-de-r-15-milhoes-botafogo-anuncia-volta-ao-caio-martins

SA!!!

Rodrigo Federman disse...

Exatamente, Levi. Eu também já estive no NS cheio e vazio...de fato, parece não pressionar muito o adversário. Credito isso à pista de atletismo, que afasta o torcedor do gramado. Mas a questão é que ele hoje é nosso...e não temos dinheiro para dois estádios, né?
Abs e SA!!!

Rodrigo Federman disse...

Márcio, e até hoje o Botafogo fala apenas de 5 milhões, né?
Abs e SA!!!

Celso Ricardo disse...

http://www.fogaonet.com/semcategoria/diretoria-reforca-bicho-a-jogadores-e-melhora-clima-com-arrancada-do-botafogo/
Leiam essa matéria e comecem a entender o porquê da má fase e da reação . Inclusive , a importância de Renan Fonseca...
Não tem bobo no futebol.

Rodrigo Federman disse...

Vou dar um confere, Celso.
Abs e SA!!!

Pedro Chiling disse...

Discordo. Os próprios atletas confessam gostar mais de jogar na Ilha. Sem falar na pressão que a torcida faz, que em casa de equipe mediana como costumamos montar, faz enorme diferença.
Jogos de mata mata além de confrontos com pouco apelo de publico deveriam ser na Ilha, os outros jogos no Nilton Santos. É INEGÁVEL o ganho técnico do clube ao jogar no acanhado estádio da Ilha. Em hipótese alguma teríamos a atual campanha no brasileirão se estivéssemos jogando no Nilton Santos.

Óbvio que é preciso uma composição financeira viável, inclusive parece que o ferj aí entrar também no circuito. Pro ano que vem por exemplo, com a volta do Nilton Santos, não vejo motivo para termos exclusividade no estádio da Ilha, como temos hoje.

Paulo Fernando disse...

Acho que a Arena da Portuguesa foi um custo técnico, ou seja, não vai dar nenhum retorno se devolvida agora, ou seja, se depreciado seu valor em apenas 6 meses. Se aumentar o prazo para 2 a 3 anos o investimento será depreciado em mais tempo e justificará seu custo inicial.
A pergunta é: a Arena para jogos menores terá um custo menor do que o NS para a mesma quantidade de pagantes? Se sim sua rentabilidade será maior e compensa. Segunda pergunta: a média de pagantes do Botafogo justifica a permanência no NS? Se não justifica devolve. Não devolver só pra fazer beicinho para os mais odiados não é argumento.

Rui disse...

A diretoria já pagava no tempo do Ricardo Gomes, porém pra escapar do rebaixamento.
O fim da má fase está muito mais relacionado ao quinteto Arena-Carli-Camilo-Jair-VictorLuis do que a pagamento por vitória, que é, digamos, um plus.

Rodrigo Federman disse...

Pedro, penso que os atletas não têm que achar nada. São pagos para jogar e tentar vencer. Se lá eles se sentem melhor, então façam uma vaquinha dos seus salários astronômicos e ajudem o clube, pois eles são pagos para vencer no estádio do Botafogo, que só foi a Arena em 2016 por uma exceção. A parte financeira é a que pega. Mal conseguimos manter o NS, como manter ele e mais a Arena? Inviável.

Paulo, mas e a manutenção quando não houver jogos? O Botafogo será responsável também? Precisamos saber tudo que envolve essa negociação. A priore, não me parece saudável financeiramente.

Abs e SA!!!

Rodrigo Federman disse...

Rui, sim e não. Considerando que esses caras são, na grande maioria, mercenários, não duvido de nada, se é que me entende. Rs
Abs e SA!!!

Rui disse...

Devolver o Nilton Santos eu discordo.
Temos que ficar com ele e potencializar sua geração de receitas.
Quanto ao estádio da Ilha, dividir com a Ferj ou outro grande os custos, ou de alguma outra maneira tornar financeiramente viável.
Ontem um amigo botafoguense falou sobre a possibilidade de colocar as arquibancadas móveis que estão na Ilha lá no Nilton, onde hoje está a pista de atletismo, trasformando o Niltão num caldeirão (quando cheio, é claro). Não seI se poderia fazer isso, mas aí sim a Arena seria um gasto inútil.

SAN!

Pedro Chiling disse...

Rodrigo, no primeiro semestre da faculdade de administração, aprendi que o principal ativo de uma empresa são os funcionários. Funcionário feliz, serviço bom. Funcionário triste, serviço ruim. Óbvio que como não jogam de favor, eles têm que jogar onde o clube determinar. Mas em minha opinião, não seria muito inteligente não valorizar a opinião deles, que na prática, são quem entram em campo e tentam o resultado. Por mais que tenha todo um suporto externo e tudo mais.

Imagina na pré-Libertadores, jogo de ida perdemos por 2 a 0. Muito mais chances de reverter jogando num caldeirão, com pressão nos adversários e até na arbitragem, do que jogando no Nilton Santos.

Quanto a viabilidade financeira, como disse no comentário anterior, com a volta do NS não precisamos de exclusividade, podemos dividir esse custo(ou investimento) com outro clube. Até a Ferj parece interessada entrar na jogada.

Ronau Gomes disse...

Notícias superficiais, análises superficiais.

jeremias disse...

Botafogo não tem recursos pra bancar os 2 estadios o time bem a galera apoia o time mal quase todos somem e outra se a ferj quer tanto o a arena funcionando e simples e só bancar onde vão os milhões que a ferj lucra todos os anos? E se for fazer loucuras de 2 estadios vai acabar piorando a situação financeira que ja não e boa e ser obg a entragar ou dividir o niltão no meu ver até o final do campeonato será arena e pronto a acabou o campeonato voltamos ao niltão se quer gastar com estadio então ja comece pelo ct nosso mesmo do clube

Celso Ricardo disse...

"...Este ano, no primeiro semestre, o “bicho” chegou a ser abolido, mas reapareceu na caminhada para escapar do rebaixamento e aumentou na disputa por um lugar na Copa Libertadores. Quem faz o elo de ligação com a diretoria é o zagueiro Renan Fonseca..."
Os caras estão correndo devido ao bicho ou NÃO corriam por não receberem o bicho ?
Ressalto que isso não é uma prática só do Botafogo . Impera nos clubes brasileiros essa política de "incentivo" extra . Afinal, ganham muito pouco de salário ...

Eduardo dudu disse...

É um crime de lesa-pátria só de se pensar em devolver o NS, o futuro do BFR passa pelo seu estádio próprio, seria uma insanidade trocar um estádio cartão postal por um lixo na ilha do governador, seria o cara ter uma mansão em Miami e preferir seu barraco na favela porque lá ele gasta menos luz, água e condomínio, ora faça-me o favor botafoguenses, todos os clubes que cresceram e se firmaram como potências atuais tem seus estádios, porque há botafoguenses que não querem isso? No NS podemos crescer, fortalecer e expandir a marca, sem estádio ficaremos reféns de taxas exorbitantes pra jogar e ainda possivelmente veremos um rival assumir o NS e se dar bem, aí seremos taxados de trouxas, tem hora que parece que a falta de ambição da diretoria passou pra torcida do BFR.

Rodrigo Federman disse...

Rui, não sei, mas acho que essa ideia não pode ser feita. Eu só acho absurda a ideia de ter dois custos com estádios.

Sim, Pedro. Em geral é assim que funciona. Mas sabemos que jogador de futebol (salvas raríssimas excessões) forma um grupo diferenciado (em tudo). Da mesma forma que trocam clubes rivais por 20 reais a mais, no fundo não acredito nessa deles se sentirem melhor em tal lugar. Falam isso porque graças a Deus está dando resultado e o bicho está sendo garantido. Rs . Infelizmente não coloco a mão no fogo por esses caras.

Claro, Ronau. Assim que tivermos mais informações, os comentários naturalmente ficam mais embasados.

Sim, Jeremias. Financeiramente eu acho doideira.

Celso, também sou totalmente contrário à essa prática. E estamos falando de bicho alto, hein?

Dudu, eu penso assim também. Preferia que os torcedores do RJ pensassem em fazer do NS o mesmo caldeirão. É ridículo não conseguir colocar 15/30 mil pessoas lá. Por isso eu digo que tudo é fase. Se a nossa hoje fosse ruim, a Ilha seria um fracasso também.

Abs e SA!!!

Fabio Lucas disse...

Convenhamos que a arena deu mais sorte para agente, alem de conseguimos quase lotar o lugar diferente do Niltao mais se me perguntar se eu prefiro o Engenhao ou a ilha? Eu respondo o Nilton Santos claro!

Tiago disse...

Eduardo Dudu, reli todos os comentários e não vi ninguém sequer cogitando devolver o Nilton Santos. O tópico é sobre a viabilidade financeira ou não de mantermos também o estádio da Ilha.
Rodrigo, impossível fazer de um estádio olímpico, que tem uma pista de atletismo entre a arquibancada e o campo, um caldeirão.

Rodrigo Federman disse...

Fabio, mas lotar a Arena é pouco demais para um clube como o Botafogo. A torcida carioca tinha por obrigação fazer a sua parte no nosso estádio.
Abs e SA!!!

Rodrigo Federman disse...

Tiago, então não faça um caldeirão, mas um estádio cheio de botafoguenses que também intimide os adversários.
Abs e SA!!!

Paulo Fernando disse...

Desculpem mas achar que o NS é nosso Estádio é irreal também. Tanto quanto a Arena da Ilha ele é arrendado também e pagamos por ele todos os meses. Isso um dia vai acabar. Ademais somos, desde o primeiro dia de arrendamento, lesados todos os anos, basta um histórico de quantos dias tivemos o estádio disponível nos últimos 3 anos...
Pra não ter um estádio definitivo, melhor se preparar para ter no futuro e usar um Caio Martins ou Ilha do que um elefante desfigurado como estádio e nunca usarmos em sua totalidade. Outra coisa, o Botafogo não é mais o clube que era há 20 anos atrás. Estamos como aquelas famílias ricas e falidas. Ou assumimos isso ou vamos pro chão definitivamente. Daí temos que agir com os pés no chão, tal qual faz essa diretoria...passo á passo. Para tornarmos a ser grandes novamente temos que ter uma casa que seja um caldeirão, sermos a 16a. folha de pagamento do Brasil (1/3 do Palmeiras, Inter, Flamengo, etc...), menores custos e maximizar as receitas com grandes resultados no campo. Isso definitivamente está sendo feito. Agora entre ficar com o elefante para ostentar sem resultados e custos enormes ou ter um estádio que trabalhe com 70 a 100% de sua capacidade à custos menores, prefiro muito mais a segunda opção, ainda mais em um país que tem as dificuldades que temos. O que o CEP decidir terá meu apoio, pois é, sem dúvida nenhuma, o dirigente mais competente que já vi na história do Botafogo. Trabalha como um administrador faz, com razão e deixando a paixão só no campo. Achar que o estádio NS nos faz grande é um equívoco tão grande como achar que o Flamengo é pequeno porque não tem estádio...

Paulo Fernando disse...

Tiago eu cogitei sim e reafirmo no meu segundo comentário essa hipótese. Desde que os números (R$$, dias efetivos de uso e média de público x capacidade ociosa) indiquem isso.

Rodrigo Federman disse...

Paulo, mas a concessão do NS ainda tem muitos anos. A Arena é só até dezembro. Por isso dizemos que é nossa casa. Bom, eu acho absurdo manter dois aluguéis. E se o fizerem, eu gostaria muito que o CEP apresentasse a engenharia e números envolvidos.
Abs e SA!!!

Paulo Fernando disse...

Rodrigo essa concessão pode ser devolvida no dia que quisermos e ainda temos o direito uma ação judicial contra a Prefeitura, cujo objeto pode ser também a devolução por perdas e danos (muito fácil de provar). A Arena pode ser contratada por muitos anos também, ou o Caio Martins, tanto faz, desde que seja um caldeirão e que justifique pelos números, como você disse. Concordo que o uso de ambos não me parece ser viável e se a engenharia financeira confirmar que o uso do NS é mais viável do que a Arena, retiro tudo o que disse acima. A questão é que acho isso pouco provável, em face do baixo uso e alto custo do NS.
Não esqueçamos que temos GS como local de treino e M. Hermes é um local nosso.
Mas dando uma dose de humor a essa questão, o melhor mesmo é estarmos discutindo tantas opções enquanto os molambos e o time da série C estavam babando o saco do Rubens Lopes ontem para poder arrumar um local pra jogarem ano que vêm. Enquanto isso, na reunião, o CEP mudo entrou, calado saiu. kkkkk.....Cheio de trunfos pra botar em cima da mesa...Por isso gosto tanto desse cara!!!!

Rodrigo Federman disse...

Sim, Paulo. Mas aí eu não sei como está no contrato em relação à quebra, devolução, afins. Eu só acho que somos grandes demais para nos contentarmos com estádio para 15 mil. Abs e SA!!!

Celso Ricardo disse...

O maior apequenamento do Botafogo é a falta de TÍTULOS.
Conquistando TÍTULOS, o NS será pequeno para nossa torcida .
Precisamos pensar grande .

Paulo Fernando disse...

Claro que desejamos um estádio para 30, 40 mil, mas nosso público médio é esse? Quantos jogos tivemos no NS e qual foi a média, mesmo em jogos com o time do Seedorf (que tinha maior apelo de público)? Uma coisa é usar um Estádio de 40/50 mil com 10/15 mil e outra é usar um Estádio de 15/20 mil com esses mesmos números. Fora a sensação de lotado que dá e faz um verdadeiro caldeirão. Como disse acima, nossa realidade não é essa. Quem sabe daqui há 10 anos, com a retomada da capacidade de investimento do clube, saneamento das contas, retorno técnico e consequente melhora da auto estima com o retorno da torcida, não possamos ter um estádio de 20/30 mil ou fazer desses locais essa arena. Sinceramente acho o NS um elefante que nunca é um caldeirão e cujo custo não se justifica.

Paulo Fernando disse...

Eduardo Dudu, discordo 100% do que vc disse. Nunca vi tanta auto estima como tenho visto nos jogos da Arena. Ademais o Corinthians nunca teve estádio e virou o que virou. Veio a ter agora e está abarrotado em dívidas depois dessa decisão. O Flamengo também nunca teve estádio. Considero um crime sim o clube não colocar os pés no chão. Pela primeira vez temos uma gestão que preza pela administração de custos e que não nos diminuí, ao contrário, nos agiganta como instituição. Somos a surpresa do campeonato, o time que todos temem, ainda mais jogando na Arena. Tem coisa melhor do que isso? Somos a 16a. despesa de folha de pagamento de jogadores no Brasil e 5o. lugar no CB e Campeões Brasileiros sub 20. Alguém acha tudo isso sorte?????

Rodrigo Federman disse...

Isso mesmo, Celso.

Paulo, a torcida é reflexo do time, mas a do RJ tem deixado a desejar, infelizmente. Nem Seedorf foi capaz de mudar. Acho que precisam trabalhar o NS. Estádio de Olimpíadas, passou da hora de conseguir patrocínios, apoios...acho tudo muito demorado no Botafogo.

Abs e SA!!!

Edson Luiz Santos disse...

Rodrigo, saudações gloriosas!!!! Primeiro, espero que este espaço permaneça por muito tempo, parabéns!
Depois, declaro que hoje, um pouco mais aliviado, surpreendentemente aliviado, ficarei feliz seja qual for o resultado alcançado ao fim deste 2016. Porém, que seja classificado para a Libertadores.
Por último, concordo muitíssimo com o Orlando Sábia, "Quem comanda o clube precisa entender o torcedor, o botafoguense não é igual ao torcedor dos outros times, temos nossas peculiaridades e é isso que o comando diretório precisa entender. Tenho a absoluta certeza de que se moldarem o estádio ao nosso jeito, com a nossa cara, a torcida comparecerá sempre."
Então, por isso, entendo que devemos fomentar este tipo de ideal, cobrar, em espaços íntegros e éticos, como este, que os gestores entendam o que foi dito acima.
Grande abraço.

Rodrigo Federman disse...

Fala, Edson. Valeu, cara. Já temos muitos anos aqui e espero que possamos trocar esses papos por muitos outros.
Abs e SA!!!

Celso Ricardo disse...

Rodrigo , já pensou em criar um canal no YouTube?

Eduardo Alvarenga disse...

Respeito sua opinião Paulo, mas discordo radicalmente, ponderações: não temos dinheiro pra construir um estádio da capacidade, beleza e envergadura do NS, pela licitação ele será nosso até 2030 prorrogáveis por mais 20 anos caso o BFR assim o deseje, ou seja pelo menos 2050, o custo é alto, porém com vendas de produtos, espaço, publicidade o estádio se torna viável, haverá agora em novembro o show do Guns and Roses, o Caio Martins receberia esse show? Não é razoável jogarmos dinheiro fora nos desfazendo dessa incrível fonte de renda e visibilidade, ainda há chances de vendermos o nome, ou seja uma série de receitas que tornarão o BFR forte e temido, quanto ao ganho técnico, peguem as estatísticas do NS, somamos muito mais vitórias que empates e derrotas, enfim não cola o argumento de que é melhor um carro velho e pequeno porque ele gasta menos gasolina,, porém pode não te levar mais longe.

Marcio disse...

Toda e qualquer avaliação em relação ao Estádio NILTON SANTOS até o momento precisam ser cautelosas, pois quem o administrou por mais tempo foi a gestão moderno-praiana; e não é novidade que essa gestão jamais trabalhou para fazer o Torcedor sentir-se em casa, até colocaram como nome comercial, Stadium Rio.
O ápice do maltrato ao Torcedor ocorreu em 2011, naquele jogo frente ao Ceará, pelo Brasileiro.
Além do estudo de viabilidade, precisará essa administração trabalhar bem para que o Torcedor do BOTAFOGO se descole da imagem "negativa" que a gestão moderno-praiana deixou no relacionamento Torcedor/Estádio.

Particularmente eu prefiro que o Torcedor esteja próximo ao campo e os estádios ingleses são bons exemplos a serem seguidos; entretanto, o São Paulo, que é o brasileiro que mais conquistou títulos internacionais e um dos mais vitoriosos nacionalmente, joga no Morumbi e a torcida não fica muito próxima.
Existirão exemplos favoráveis ou não aos dois tipos de estádios e o que precisamos é de um Time que saiba jogar em casa e fora, pois o estádio acanhado pode garantir as vitórias para uma permanência na primeira divisão, por exemplo, mas provavelmente não garantirá conquistas de campeonatos importantes.
Quanto a ouvir a opinião dos jogadores, penso que deve ser com cautela, já que eles estão BOTAFOGO e não são BOTAFOGO. Quantos destes estarão em 2017 defendendo as nossas cores?

Em resumo, há ainda muitos questionamentos a serem feitas sobre toda essa situação.

Enéias Teles Borges disse...

Concordo. Somente o Niltão. Mais ainda. Fla x Flu vão acabar assumindo o Maracanã 9até prefiro). Vasco tem São Januário. O estádio Nilton Santos é nosso. Vamos valorizar.

Rodrigo Federman disse...

Celso, nunca. Na verdade, não tenho muito saco para vídeos. E mesmo tempo ou conhecimentos de edição e tal. Aqui no blog eu chego a noite, programo o post do dia seguinte e sigo os comentários pelo celular de onde eu estiver. Rs

Tô contigo, Eduardo.

Márcio, isso mesmo. Principalmente sobre as opiniões de jogadores. Nessa parte então, fecho completamente contigo.

Isso, Enéias.

Abs e SA!!!

Anônimo disse...

Vitórias contra Boavistas e Friburguenses da vida

Anônimo disse...

Estádios acanhados são para mata-mata. Vê se o Atlético decide mata-mata de Libertadores no independencia ou no Mineirão

Anônimo disse...

Sobre os jogadores não se trata de obedece-los, e sim avaliar a tendência que a coisa tem. É o famoso "feeling" . Ano que vem a opinião a ser considerada é a dos jogadores que estarão no ano que vem. E obviamente pra ter algum tipo de opinião sobre o que é melhor só tendo mais de uma opção.
Concordo com amigo acima, sendo viável financeiramente, acho bem interessante. Fazendo o estádio "se pagar", gerar lucro com ele mesmo, ou dividindo a cessão dele.

Marcio disse...

Pensando nessa possibilidade de continuar administrando A Arena BOTAFOGO, em termos somente de números, a situação não é favorável:
Vejam os resultados financeiros nos jogos do BOTAFOGO realizados na Arena.
Flamengo- R$69.349,71
Bragantino- (-)R$ 100.907,26
Palmeiras- R$ 2.948,18
Sport- (-) R$ 87.642.93
Cruzeiro- (-) R$ 67.644,34
Fluminense- R$ 43.980,41
Santos- (-) R$ 43.580,55
Corinthians- R$ 30.667,45
Internacional- R$ 652, 33
A. Mineiro- R$ 122.570,05

Resultado total: (-) R$ 118.959.04

Agora, vejam o resultado financeiro do ano de 2012 no Estádio NILTON SANTOS; foram disputados 19 jogos pelo Campeonato Brasileiro.
O BOTAFOGO obteve um resultado de R$ 986.198,00, média de R$ 51.905,14.
Obs: Em 2012, a gestão era a moderno-praiana, assim não dá para ter certeza da veracidade.

Os números mostram que é preciso cuidado e que a análise deve ir muito além do tamanho do Estádio. A Arena está sendo válida pelo seu retorno técnico, já que prejuízo maior seria o rebaixamento, mas pensando em prorrogar a administração, por certo não dá para pensar em pagar para jogar e no último ano de utilização plena do Nilton Santos, 2012, e resguardada as dúvidas necessárias, o NILTON SANTOS não deu prejuízo financeiro nos jogos realizados.
Claro que administrar um estádio não envolve somente os jogos, há toda uma manutenção, mas se o jogo não traz valores positivos, de onde tirar dinheiro para arcar com todos os custos e despesas? Isso precisa ser viabilizado e dinheiro não dá em árvore.
É uma situação que exige muito estudo, dada a sua complexidade.
SA!!!





Marcio disse...

Faltou a fonte da informação sobre os valores:

Em relação ao ano de 2012:
http://ndonline.com.br/florianopolis/esportes/no-maracana-botafogo-tem-lucros-maiores-que-no-engenhao

Em relação aos jogos na Arena BOTAFOGO:
http://www.botafogo.com.br/borderos.php?cat=futebol
SA!!!

Edson Luiz Santos disse...

Em 1916, Rui Barbosa referiu-se aos jogadores da seleção que disputaria o Campeonato Sul-Americano na Argentina, com Friedenreich no time titular, como corja de malandros e vagabundos. Naquele mesmo ano, Graciliano Ramos definiu o futebol como efêmero modismo estrangeiros (FRANCO JÚNIOR, 2007, p.69).
Cem anos depois sabemos que há muito mais coisas envolvidas que apenas um jogo, um esporte.
Espero que o, sempre coerente Paulo Fernando, me perdoe-me, mas afirmo: estádio faz diferença sim! A popularização do futebol passa pela possibilidade de acesso das grandes massas.
São 278 jogos (há rodadas duplas e tripla) com público superior a 100 mil,
214 no Maracanã, 42 no Morumbi, 19 no Mineirão e 1 no Castelão, Fonte Nova e Beira Rio
http://www.rsssfbrasil.com/miscellaneous/attendances.htm

Hoje há possibilidade de proporcionar muito mais conforto ao público, basta querer. Porém, não há conforto que supere a expectativa que um time brioso e de qualidade, também honre as nossas tradições. O nosso Botafogo é gigante, não pela quantidade de títulos ou de torcedores, mas pela gloriosa história. Por favor, honrem o nome Nilton Santos! Saudações.

Maiores médias de público nos últimos anos:
Ano Clube Média - Campeão
2015 Corinthians 33.637 - o mesmo > Fogão série B
2014 Cruzeiro 29.678 - o mesmo > Fogão 19º = 11.3 mil
2013 Cruzeiro 28.911 - o mesmo > Fogão 4º = 12.6 mil
2012 Corinthians 24.299 - Fluminense > Corinthians 6º > Fogão 7º = 8.5 mil
2011 Corinthians 29.424 - o mesmo > Fogão 9º = 16 mil
2010 Corinthians 27.446 - Fluminense > Corinthians 3º > Fogão 6º = 18,7 mil
2009 Flamengo 40.035 - o mesmo > Fogão 15º = 14.3 mil
2008 Flamengo 40.695 - São Paulo > Flamengo 5º > Fogão 7º
2007 Flamengo 39.221 - São Paulo > Flamengo 3º> Fogão 9º
2006 Grêmio 25.630 - São Paulo > Grêmio 3º> Fogão 12º

Rodrigo Federman disse...

Ok, Anônimo 1.

Anônimo 2, desde que você tenha condições financeiras para utilizar dois estádios.

Anônimo 3, o problema e mais difícil é fazer ele se pagar. Nem mesmo com esse bom momento, conseguimos transformar a Arena em retorno financeiro. Tivemos prejuízo assim mesmo.

É isso mesmo, Marcio. Tivemos benefício "técnico" apenas. E ainda questiono esse benefício. Financeiramentte, foi prejuízo claro.


Boa, Edson.

Abs e SA!!!

Marcio disse...

Há exemplos favoráveis ou não ao tipo de estádio utilizado; não se pode apenas olhar um lado da situação.
E mesmo em uma disputa em mata-mata, não há verdade absoluta. Grêmio e Cruzeiro, maiores vencedores da Copa do Brasil, não conquistaram esses títulos em estadios acanhados; o São Paulo, que nunca venceu a copa do Brasil, e é o maior vencedor brasileiro em competições Sul-Americanas, não joga em estádio acanhado.
Mesmo o A. Mineiro, que manda seus jogos no Independênmcia, quando venceu a Copa do Brasil em 2014 mandou dois segundos jogos em que estava em desvantagem, no Mineirão, uma desvantagem de dois gols contra Corinthians e Flamengo.
Como disse acima, prefiro estádio no estilo inglês, só que não posso dizer que o BOTAFOGO deixou de ser campeão ao longo de muitos anos por causa do Estadio NILTON SANTOS; a História não permite tal afirmação.
Essa questão supera e muito ao que penso de modo individual; é tudo muito mais amplo.
SA!!!

Rodrigo Federman disse...

Perfeito, Márcio. É isso mesmo.
Abs e SA!!!

Anônimo disse...

A crise financeira vivida pelo Botafogo nos últimos anos foi pouco a pouco sendo dissipada, e o horizonte para 2017 é mais azul com mais dinheiro em caixa. Porém, dívidas antigas ainda assombram as finanças do clube, e na última terça-feira foi a vez de renegociar um débito de aproximadamente R$ 10 milhões frutos de um empréstimo com o Banco Modal na gestão de Maurício Assumpção. A atual diretoria assumiu o montante desde o ano passado, mas teve que reequacioná-lo para manter as parcelas mais baixas e esticar o prazo para 36 meses. O termo aditivo foi votado em reunião fechada do Conselho Deliberativo e aprovado por unanimidade pelos conselheiros.
Com o clube afundado em dívidas e sem recursos para pagar salários dos jogadores, o ex-presidente pegou cerca de R$ 13 milhões emprestados em abril de 2014. A maior parte do montante era destinado a evitar que as remunerações completassem três meses de atraso, o que permitiria aos jogadores entrassem na Justiça para sair do clube. Mas em seu último ano de gestão, quitou menos da metade do valor, que aumentou acrescido de juros desde então.

Anônimo disse...

Márcio e colegas irmãos de camisa,Arena está dando muito lucro ao Botafogo, todos estão esquecidos a nossa média de público no Raulino Oliveira em Volta Redonda ou em Juiz de Fora, peço ao Márcio para fazer a média de públicos nos estádios citados.
Outra coisa, Arena não foi só efeito técnico, mais o lado do sócio torcedor, abraçou e 14.000 sócios pagando ao clube em dia,houve uma grande quantidade de torcedor que deixaram de pagar ou desistiram e voltaram com todo gosto, depoois que a arena começou a receber os jogos, não sei o valor exato, mais cobre qualquer despesa feita no estádio.
Flamengo por exemplo tem jogado fora do Rio ganhando em rendamais seu quadro de sócios contribuintes, desabou em mais da metade.
Ninguém é besta e bôbo,pagar sem ter jogo na praça.
Para resumir é só colocar por exemplo quanto o botafogo arrecada com o sócio toredor que fecharemos a conta.
Nós estamos raciocinando o lado de fora da coisa e não o lado de dentro que é o sócio torcedor e 14.000 sócios tem que ser bem tratado pois o clube arrecada e responsável por uma boa parte da receita do clube.

Marcos Antonio

Anônimo disse...

Márcio, você é uma cara que acompanha a fundo o Botafogo, tem alguma informação sobre o que é arrecado com o sócio torcedor.(14.000 sócios) nesse caso saberemos porque a diretoria fez o esforço da Ilha do Governador gastando quase 5 milhões.


Marcos Antonio

Rodrigo Federman disse...

Anônimo, eu não diria mais azul. Diria menos vermelho.

Marcos Antônio, todos estão adimplentes? Desculpa, mas financeiramente a Arena tem dado prejuízo. Técnico? Eu diria que para nos livrar do risco de rebaixamento ok, mas pouco para Botafogo.

Abs e SA!!!

Paulo Eduardo Damasceno Lopes disse...

Acho q a solução para agradar a todos seria fazer arquibancadas provisórias na pista de atletismo do Engenhão, que cobrisse apenas a parte inferior das arquibancadas permanentes (a superior permaneceria com visibilidade). Assim, teríamos um caldeirão dentro de um estádio moderno e com capacidade alta de público.

Rodrigo Federman disse...

Paulo, matando assim a inferior? Não curto a ideia. Tivessem pensado nisso tudo antes.
Abs e SA!!!

Marcio disse...

Em 2015, o BOTAFOGO arrecadou R$ 4.512.000,00 com o seu Programa de Sócios e R$ 12.576.000,00 com bilheteria; total de R$ 17.000.000,00.
Além de não sabermos a quantidade de adimplentes ou não dos sócios, o fato é que a receita dos jogos está menor do que as despesas e o valor para cobrir essa diferença terá de sair de outro lugar. E acredito que as receitas oriundas do Programa de Sócios não necessariamente têm destino específico, já que o BOTAFOGO não é apenas futebol e mesmo que fique no futebol, este não se resume apenas ao Time.
Considerando o que dizem terem investido no local e o que aponta os borderôs, o retorno obtido é mais técnico.
E não custa observar que o BOTAFOGO é o terceiro melhor visitante, com seis vitórias; sendo que o Jair conquistou 5 das seis.
A Arena tem participação na melhora do Time, mas a melhora foi geral e não específica.
Em resumo, para 2016, o investimento na Arena foi correto, independente dos números, já que o rebaixamento traria prejuízos muito maiores.
A Diretoria precisava agir e agiu..

https://esportes.terra.com.br/lance/veja-quem-arrecada-mais-com-socios-e-jogos-verdao-soma-r-120-milhoes,e344510ba106e04323e14a81122bf290knugsuud.html
SA!!!

Rodrigo Federman disse...

Sim, Márcio. Principalmente considerando que o risco de cair era bem real.
Abs e SA!!!

Anônimo disse...

Tá ok Márcio,valeu pela informação,lembrando também que as contusões e a preparação fisica também melhoraram, quando o time começou a jogar no Rio e não viajar mais.
Certo é que ajudou bastante o clube; porque a caminhada era mesmo para um novo rebaixamento e teria que ser feito alguma coisa.
Saída do Ricardo Gomes Ajudou e a efetivação do Jair.

Marcos Antonio

Rodrigo Federman disse...

Marcos, sobre essa questão da preparação física, eu gostaria de saber os números, pois a sensação que tenho é de que continua a mesma coisa.
Abs e SA!!!